POR
FLUSS DE SAM & MILLER HARRISON

O texto abaixo foi traduzido e adaptado do site JACOBIN pelo editor do blog Esclarecimento Filosófico. O link do texto original se encontra no fim do texto traduzido.

Ontem à noite (19/04/2019), Jordan Peterson disse bobagens sobre o marxismo. E Slavoj Žižek nos lembrou o quão profundamente se afundou no pessimismo liberal

Ontem, (19/04/2019), Jordan Peterson e Slavoj Žižek debateram no Sony Center em Toronto. O título do debate era “Felicidade: Capitalismo versus Marxismo”. A estrutura do debate definia que cada participante apresenta-se uma introdução de trinta minutos, seguida por uma série de breves respostas de dez minutos uma à outra. A conversa terminou com algumas perguntas gerais do público.

O evento tinha esgotado todos os ingressos e durou três horas. O que se esperava ser um “debate do século” aquecido acabou sendo uma troca bastante amigável e amistosa. Durante toda a noite, os dois oradores declararam em várias ocasiões o quanto concordavam e se admiravam. Peterson foi particularmente tomado pelo desempenho carismático de Žižek e pelos “argumentos complexos”, enquanto Žižek enfatizou o quanto ele concordava com a crítica de Peterson sobre a correção política e seu estilo agressivo de argumentação.

Žižek certamente não é tão odioso quanto Peterson. Mas o debate revelou até que ponto o intelectual esquerdista caiu por terra e por que precisamos de uma verdadeira política marxista para argumentar francamente por liberdade e justiça.

Peterson em Marx

Peterson concentrou quase toda a sua introdução de trinta minutos em um ataque direto ao Manifesto Comunista . Ele veio preparado com dez proposições contra a ideologia do Manifesto e do Marxismo. Peterson começou argumentando que Marx e Engels estavam errados em reduzir os problemas primários da existência à luta de classes. Ele alegou que Marx e Engels não conseguiram apreciar a hierarquia como um fato biológico conectado. Ele também questionou se a “ditadura do proletariado” seria ou não tão melhor que a da burguesia.

Peterson até retratou Marx como um pensador identitário, colocando uma classe trabalhadora supostamente benevolente, mas oprimida, contra uma classe capitalista má. Ele passou a questionar como a sociedade seria organizada sob o comunismo, argumentando que o poder estará sempre concentrado nas mãos de poucos, independentemente do sistema social em vigor.

Peterson também tentou criticar Marx por motivos econômicos. Ele começou citando o próprio reconhecimento de Marx da abundância material produzida pelo próprio capitalismo. Peterson argumentou que os capitalistas, por meio de sua perspicácia comercial e liderança, agregam valor econômico à sociedade e que o sistema fez muita coisa para eliminar a pobreza e ajudar os pobres.

Embora ele tenha admitido que o capitalismo enriquece os ricos, ele também enfatizou que o capitalismo também torna os pobres mais ricos. Ele terminou sua introdução alegando que a busca do lucro disciplina moralmente os capitalistas para não maltratar seus trabalhadores, e que qualquer chefe movido pelo lucro nunca exploraria seus trabalhadores por medo de perder negócios. Como disse Peterson, “você não se eleva a uma posição de autoridade que seja confiável em uma sociedade humana, principalmente explorando outras pessoas”.

A apresentação de Peterson sobre os princípios fundamentais do marxismo é uma vulgarização ridícula, para dizer o mínimo. Ele parecia alguém que mal havia lido os textos-chave.

Tome seus comentários sobre a natureza inerentemente hierárquica e exploradora das pessoas: quando Marx e Engels disseram que toda a história é a história da luta de classes, eles estavam falando sobre toda a história escrita . Os seres humanos viveram sem classes por milhões de anos. A criação da sociedade de classes – onde uma minoria se apropria do trabalho excedente da maioria – é um fenômeno relativamente recente, e para Marx e Engels é a produção e reprodução da vida real que está no centro das interações dos seres humanos com a natureza.

Peterson chegou ao ponto de dizer que a natureza como categoria não existe nos escritos de Marx, o que é patentemente falso. No primeiro capítulo de Capital , Marx afirmou que o trabalho é a relação essencial entre os seres humanos e a própria natureza, e que o trabalho de alguma forma “é uma necessidade imposta pela natureza eterna, sem a qual não pode haver trocas materiais entre o homem e a natureza. e, portanto, sem vida.” Ele nem precisava chegar ao final do Volume Um para descobrir isso.

Quanto às alegações de Peterson sobre a hierarquia, ele confundia constantemente a hierarquia com a sociedade de classes. Ele nunca demonstrou porque o privilégio de uma classe de explorar outra é essencial para a existência humana. Além disso, quando Marx defendia a superação da sociedade de classes, ele não achava que os seres humanos acabariam com a necessidade de organização política. Para Marx, o “estado” político tem um significado muito específico como um órgão da sociedade de classes. Na superação da sociedade de classes, as pessoas ainda precisarão de estrutura e organização; eles ainda precisarão deliberar, argumentar e buscar coisas em comum por meio de luta e debate. Como Norman Geras colocou em sua defesa de Marx contra ” Sete Tipos de Obloquismo”, sob o comunismo, formas de poder público seriam baseadas em princípios democráticos e eletivos.

Como Peterson vê a natureza humana como essencialmente caída e sinônimo do pecado original, os esforços de grupos oprimidos para superar coletivamente sua situação serão inevitavelmente carregados de mais violência e sofrimento. Mas isso é uma metafísica que impede que qualquer grupo de pessoas busque justiça ou melhore sua condição por medo de gerar mais violência.

Além disso, ao contrário de Peterson, Marx não via a luta da classe trabalhadora em termos identitários: os trabalhadores têm interesse em abolir sua própria identidade como proletários explorados. Para Marx, embora a luta socialista tenha seus elementos de idealismo, solidariedade e sacrifício, o proletariado não são anjos; centenas de anos de opressão de classe impedem a humanidade de agir “benevolentemente” (no sentido de Peterson). Essas questões de antagonismo de classe não podem ser vistas através da moralização superficial de Peterson, mas nos termos estruturais que Marx apontou.

Quanto aos capitalistas que contribuem com valor, Peterson não entende como Marx vê valor como tempo de trabalho necessário. A burguesia não pode agregar valor sem explorar os trabalhadores, isto é, sem se beneficiar de seu trabalho não remunerado. A exploração não é, portanto, uma falha moral do capitalista, mas construída na relação estrutural entre o capitalista e o trabalhador. A tentativa de Peterson de fazer dos capitalistas pilares essenciais da civilização não é melhor do que a famosa fábula de Menenius Agripa sobre a barriga e seus membros .

Poderíamos continuar, mas está claro o suficiente para que Peterson seja descaradamente ignorante do que Marx realmente argumentou. Não é que ele discorde (muitos críticos inteligentes de direita têm), não é que ele tentou simplificar para um público popular, ele simplesmente não é informado o suficiente para se engajar no debate.

Quanto ao capitalismo global hoje, melhorias no consumo, na mortalidade e no fato de estarmos melhor do que nossos ancestrais não são desculpa para condenar a massa da humanidade a ser perpetuamente explorada e alienada.

Peterson afirmou dogmaticamente que essas melhorias relativas são simplesmente devidas ao livre mercado, e não a outras fontes, como intervenções de saúde pública, educação e lutas da classe trabalhadora contra a exploração. Isso sem mencionar que a busca por lucro é também um dos principais fatores por trás de praticamente todos os problemas sociais, incluindo a aceleração da mudança climática.

Unidos contra a felicidade

Enquanto Peterson supunha que ele estava entrando em um debate com um marxista clássico, e que grande parte desse debate seria centrado em torno do marxismo, Žižek veio com uma agenda diferente. Em sua introdução de trinta minutos, Žižek não se concentrou em Marx, mas começou a conversa lamentando o quanto ele e Peterson são marginalizados da academia “politicamente correta”:

“Peterson e eu … somos marginalizados pela comunidade acadêmica oficial e supomos defender aqui a linha liberal da esquerda contra os neoconservadores. Mesmo? A maioria dos ataques contra mim são precisamente de esquerdistas liberais. Basta lembrar o clamor contra a minha crítica da ideologia LGBT.”

Depois de estabelecer que ele e Peterson compartilham um inimigo comum, Žižek passou a discutir vários tópicos. Isso incluía como o milagre econômico da China não se baseava numa democracia de livre mercado, mas no capitalismo autoritário; que Bernie Sanders é demonizado como radical, enquanto na verdade ele é um “moralista antiquado” e que o “multiculturalismo liberal branco” é o culpado pelo fracasso da esquerda.

Žižek também afirmou que a crise da imigração é devida às “contradições imanentes” do capitalismo, mas argumentou contra as fronteiras abertas no final da tarde. Žižek justamente alegou que o ódio populista dos refugiados é irracional. No entanto, ele afirmou ambiguamente que “os relatos [sobre refugiados] são verdadeiros”. Pode-se especular que Žižek estava se referindo às observações anteriores que fez sobre os refugiados violentos, que foram criticados como xenófobos .

Para seu crédito, Žižek expressou apoio à saúde e educação universais, o que permitiria que os indivíduos se concentrassem em realizar seu potencial criativo. Ele também reconheceu que a mudança climática não é uma farsa, mas uma ameaça real à humanidade que deve ser combatida com alguma forma de cooperação internacional.

Mas durante todo o debate, Žižek afirmou que é pessimista inúmeras vezes. Ele vê a esquerda contemporânea da mesma maneira que Peterson, como um pântano de ressentimento e vitimização. Ele não concorda com a visão otimista de Marx, que defende relações sociais livres e transparentes. Em contraste, Žižek e Peterson afirmaram que os seres humanos não são racionais, mas, ao contrário, inerentemente tendem à auto-sabotagem.

O objetivo marxista de libertar as forças produtivas do capitalismo não é um problema para Žižek. Ele coloca a modernidade em termos existenciais como a necessidade de “carregar … o principal ônus, que é a própria liberdade”. Sem a autoridade tradicional, somos responsáveis por nossos próprios fardos, condenados a lutar por um significado contra um mundo mercantilizado e hedonista. “Precisamos encontrar alguma causa significativa além da mera luta pela sobrevivência prazerosa.” Mas esse tipo de ascetismo existencial contra o prazer e o hedonismo é estranho ao projeto de Marx de satisfazer as necessidades humanas em escala universal. Marx, como Ishay Landa aponta, não era contra o consumismo em si, mas era contra as condições de austeridade que o capitalismo impõe para a grande maioria.

Uma e outra vez, Peterson e Žižek citaram a tradição judaico-cristã (ou a tradição “ocidental”) como ponto de partida, mas esta é uma tradição existencialista a la Kierkegaard, Nietzsche e Heidegger, e não a tradição racionalista de Hegel e Marx. Žižek invocou Hegel em oposição a Marx como seu herói filosófico, mas este é um hegelianismo sem resolução dialética, transformando as contradições de Hegel em antinomias insolúveis.

A alienação, para Žižek e Peterson, é incorporada ao próprio bolo da existência. Ambas vêem a condição humana como inerentemente trágica, seja pelas lentes da biologia, da psicanálise ou da metafísica. Essencialmente, estamos todos fadados ao fracasso e à frustração, não importa qual seja o regime econômico e político.

À medida que o debate continuava, Peterson continuou pressionando Žižek sobre o tópico do marxismo e implorou a Žižek que esclarecesse sua posição em relação a Marx. Em resposta, Žižek deixou claro que sua adoção da palavra “comunismo” é uma provocação e, na verdade, ele não se identifica como comunista. Em vez disso, Žižek afirmou a necessidade de um capitalismo auto-limitado e regulado. Ele não afirmou a auto-emancipação da classe trabalhadora, mas defendeu a necessidade de um mestre que “forçaria as pessoas a serem livres”. Aqui, Žižek saiu como um liberal tecnocrático, pois para ele, as massas são incapazes de alcançar a liberdade para si – algum tipo de “mestre” é necessário para guiá-los.

Peterson não contradiz nenhum desses sentimentos; em vez disso, ele admitiu que o capitalismo tem seus problemas e que ele não apoia mercados totalmente desenfreados. Ele parafraseou Winston Churchill ao dizer que o capitalismo é o pior sistema possível … mas ainda melhor que todos os outros.

No final da noite, Peterson pressionou Žižek pela última vez. Ele perguntou a Žižek por que ele se associaria ao marxismo. Em resposta, Žižek referenciou vagamente o décimo oitavo Brumário e o Capital de Marx como análises políticas e econômicas sutis e sofisticadas, respectivamente. Ele não ofereceu uma defesa mais completa além disso.

Frenemies

Embora Peterson tenha ficado fascinado com o carisma de Žižek, ficou ainda mais impressionado com a firme recusa de Žižek em se alinhar aos argumentos centrais de Marx e Engels. Apesar dos compromissos de esquerda de Žižek, ele e Peterson afirmaram a existência da sociedade de classes, da hierarquia social e do destino inescapável do sofrimento.

Nós só podemos esperar lidar com o sofrimento gerado pelo capitalismo (seja como indivíduos ou através de regulamentos tépidos) – nós nunca podemos esperar superar este sistema. Peterson disse que as afirmações de Žižek não se pareciam em nada com o marxismo, e mais com “Žižekism”. Mas não há nada original aqui: isso não é Žižekism ou petersonismo, mas a velha metafísica do pessimismo burguês.

Nenhum dos participantes deste debate delineou uma alternativa específica ao capitalismo. Nem acreditam que uma alternativa sistemática real é desejável.

A diferença entre Žižek e Peterson é, portanto, a diferença entre o tolo de John Locke e o louco: o tolo não pode tirar conclusões de suas premissas, ao passo que o louco obedientemente tira suas conclusões das más. Žižek aqui é o tolo, já que seus compromissos de esquerda permanecem incompatíveis com as premissas filosóficas que ele compartilha com a visão trágica de Peterson sobre a existência humana. Peterson, o louco, leva essas premissas trágicas à sua conclusão lógica e anti-socialista.

Mas quem sabe: com tanto em comum, isso não poderia ser o começo de uma linda amizade?

https://jacobinmag.com/2019/04/jordan-peterson-slavoj-zizek-marxism-liberalism-debate-toronto

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s